Latest Event Updates

Marta Sousa regressa a Portugal e integra a Bright Concept como Business Director & Associated Coach

Posted on

Bem-vinda MS LK
A Bright Concept integra Marta Sousa na sua equipa, com o objetivo de reforçar a sua atuação no Desenvolvimento de Equipas de Direção a nível nacional e internacional.
Para Isabel Freire de Andrade, Partner da Bright Concept, os desafios crescentes na área Nacional e Internacional tornam fundamental contar com uma equipa de profissionais com um forte conhecimento comercial assim como experiência na área de Coaching e Formação.
Marta Sousa tem uma sólida experiência em empresas multinacionais e multiculturais na área de Grande Consumo e Marketing & Publicidade. Esteve em várias posições de gestão e liderança, o que lhe permitiu desenvolver competências em liderança e desenvolvimento de equipas, estratégia comercial, marketing e gestão de clientes, negociação e inovação.
Teve profissionalmente responsabilidades locais (Portugal, México) e regionais (LATAM). Tornou-se Coach com certificação internacional (ACTP ICF) na Africa do Sul, onde nos últimos dois anos tem ativamente realizado sessões de Coaching e Mentoring.
Marta Sousa considera que a oportunidade de integração na equipa Bright Concept vem responder ao seu desejo de basear-se em Portugal num contexto de novos desafios e oportunidades de desenvolvimento na área de Coaching e Formação. Escolheu a Bright Concept por ser uma empresa de âmbito internacional que é referência no mercado pelo sua experiência, competência e constante inovação, acompanhando os desafios e necessidades dos seus clientes.

Lean Thinking e Design Thinking – os novos métodos de trabalho

Posted on

O Design Thinking e o Lean Thinking são métodos para resolver problemas e inovar. Têm como foco o utilizador e a melhoria continua, ancorada na experimentação.

Mas em que diferem afinal?

lean thinking

No Lean Thinking, a parte do cérebro que ativamos maioritariamente é o lado esquerdo, pois é um pensamento mais ancorado na racionalidade. É uma abordagem cíclica, inspirada na indústria e com o objectivo de maximizar a eficiência, reduzindo o desperdício. O foco está nos processos de trabalho. Na resolução de problemas, recorre a dados maioritariamente quantitativos com a finalidade de testar as ideias.

No Design Thinking, pelo contrário, a parte do cérebro que ativamos maioritariamente é o lado direito, pois é um pensamento mais ancorado na emoção. A metodologia Lean Thinking pressupõe um início e um fim de projeto definido, é inspirada no trabalho dos designers, e tem como objectivo criar valor e ter significado para o cliente. O foco está no valor emocional e no significado para o cliente através da empatia. Na resolução de problemas recorre a dados mais qualitativos para perceber as necessidades dos utilizadores antes de decidir qual o problema a resolver.

E em que são semelhantes?

Para além dos objetivos serem semelhantes, estas duas metodologias têm o foco no utilizador e passos semelhantes. Utilizam ainda algumas técnicas iguais, como os 5 porquês, o diagrama de Ishikawa e a prototipagem.

Com métodos e propósitos semelhantes, mas diferentes abordagens, estas formas de pensar são cada vez mais importantes para as organizações, pois respondem às exigências cada vez maiores de rapidez, inovação e foco no cliente.

 

Beatriz Santos

Trainee na Bright Concept

Mudança de Carreira: Step Back ou…Step Forward ?

Posted on Updated on

thumb_user-1823161-2017-05-15-15-30-47

Sempre que nos deparamos com uma previsível situação de mudança, interrogamo-nos várias vezes até que surja, de forma mais ou menos natural, o equilíbrio entre a certeza da decisão a tomar e o risco dessa mesma decisão! Mudar é assim, sempre, um ato de coragem! Para alguns, a dúvida apresenta-se associada a um potencial “Step Back” na sua carreira . Para os mais optimistas, mudar está associado a uma aposta num potencial “Step Forward”!

E, tal como na investigação são necessários vários “Step Backs” para se alcançarem novas etapas de sucesso, também numa mudança de carreira, poderá existir o receio de um futuro não tão promissor, ou em que os Novos Desafios, Novas Oportunidades e Novas Descobertas apresentadas não se revelem completamente alinhados com a perspetiva de uma maior realização Pessoal e Profissional.

Assim, em vez de nos preocuparmos com os potenciais “Step Backs”, porque não assumimos desde logo que poderá estar a ser criado um “Launching Point for Future Development”?

Donald Winnicott designou como saudável a «capacidade de estar só» , e é nestes momentos de introspeção, que se torna evidente esta capacidade de tomar decisões.  Por outro lado, tudo depende da exigência que cada um coloca em si mesmo sendo que, em certos casos, pode surgir como que um sentimento de culpa, associado a uma cultura em que ter tempo livre não parece ser valorizado, em que se preza acima de tudo o trabalho, a responsabilidade e os resultados económicos.

Ora a capacidade de dar um passo numa eventual mudança de carreira, implica um trabalho emocional e uma capacidade de reflexão e ação, em consonância com esse movimento. Sendo que estas mudanças acontecem potencialmente em todas as gerações, são as mais jovens, aquelas que estão mais envolvidas em todas as decisões – sobretudo nas que envolvem diretamente as suas próprias escolhas – as que mais arriscam.

E não estão dispostas a esperar …

Mas, em todos os casos há que saber parar, para saber pensar, a fim de se tomarem decisões conscientes. Só assim poderá ser criado espaço para as análises crítica e criativa, necessárias ao balanço emocional do ser humano.

E, como diz um ditado … se necessário: “Take a step back so you can take a Big Jump Forward”

Marinela Cunha Rolo

Director Business Development

Why Millennials are changing the World – A Two Way Challenge

Posted on Updated on

 

Resultado de imagem para millennials

Os Millennials serão em 2019 a geração predominante e estão já a promover uma mudança significativa nas empresas, na economia e na sociedade. Se por um lado influenciam através da forma como compram ou vendem – o que obriga as empresas a redefinir a sua estratégia – por outro, usam a tecnologia em todos os aspetos das suas vidas, exigindo maior rapidez e flexibilidade por forma a responder às suas exigências.

Quote Marinela post Millenials LK

Estando grande parte dos millennials a ingressar no mercado de trabalho, ou sendo já membros ativos neste mercado, verificamos que a maioria das empresas não foram capazes de antecipar os novos desafios, não estando hoje preparadas para os cativar, integrar, desenvolver e garantir que se mantém “engaged”. E os primeiros millennials, hoje com mais de 30 anos, já estão a chegar ao topo e a assumir lugares de liderança, promovendo mudanças significativas ao nível do ecossistema das empresas.

Quais são então os maiores desafios que se apresentam?

Esta geração é a que tem mais formação, a que procura estar mais envolvida nas decisões, a que quer assumir rapidamente funções de liderança, pretende maior flexibilidade e maior liberdade para aprender e para se desenvolver, uma geração que quer fazer as suas próprias escolhas. E sobretudo, uma geração que não está disposta a esperar. Sendo muito confiante e aberta à mudança, quer contribuir de forma positiva para os resultados e assegurar benefícios associados ao seu desenvolvimento, procurando agilidade na reação à mudança. Por estes motivos, as empresas têm que encontrar uma outra forma de lidar com os millennials, mais adequada e orientada a este “target” e, por consequência, também mais eficaz no sentido de ir de encontro à forma como esta geração pretende estar na Vida e envolver-se na Sociedade.

Sendo os millennials uma geração com vários tipos de interesses, por vezes mesmo contraditórios ou temporários, apresentam-se hoje como um verdadeiro Marketing Enigma. Mais do que qualquer outra geração, esta quer ser autêntica na forma de se afirmar do ponto de vista pessoal e/ou profissional … em linha com o que Oscar Wilde dizia: “Temos que ser autênticos pois, ser outros, é um lugar que já está ocupado”!

De entre os principais desafios, o primeiro começa no recrutamento, através da forma como as empresas conseguem cativar e garantir a criação de experiências positivas no trabalho. Este desafio permanece nas fases de pré-integração e na futura gestão das suas carreiras, assumindo que deveremos ser capazes de ajudar os millennials a terem ownership relativamente ao seu futuro, assegurando elevados níveis de satisfação e lealdade.

Os millennials passaram ainda de colaboradores a empreendedores e líderes, obrigando as empresas a repensar os seus modelos de gestão e de retenção de talentos. Afinal, os benefícios emocionais são muito valorizados por esta geração. Como desafios complementares, as empresas estão a desenvolver programas de formação sólidos e diversificados, a apostar no coaching e no mentoring e a implementar uma cultura de pragmatismo, com a flexibilidade necessária para incorporarem os objetivos individuais de cada colaborador.

A adaptação passa igualmente pela criação de “Engaging Experiences” que funcionem e que representem “ … a two way Challenge”, tendo em conta as atuais estruturas multi-geracionais. Estamos perante uma clara transformação cultural, em que cada um tem um papel catalisador neste processo, de acordo com a sua visão, competências, experiência e expectativas de vida, reconhecendo que as múltiplas gerações são orientadas por diferentes objetivos e aspirações. Não se trata de mudar os millennials, mas de trabalhar no desenvolvimento dos atuais líderes, para que eles próprios sejam criativos na construção de uma relação que funciona nos dois sentidos. E é nestas diferenças geracionais que se encontram as respostas, uma vez que não podemos pensar em resolver as questões atuais usando a mesma forma de pensamento que esteve na base da sua criação.

Caso não exista nas empresas a capacidade e o nível de compromisso para entender a especificidade dos millennials, bem como a de cada uma das cinco diferentes gerações que hoje colaboram no mesmo mercado de trabalho, estará comprometida a sua capacidade de resposta às diversas necessidades, traduzindo-se num skill gap.

Este aspeto dificultará o alinhamento com o mindset dos millennials, fazendo com que não sejamos capazes de retirar todo o seu potencial … sendo que este em parte ainda está por desvendar.

E, sabendo que os millennials, ou trabalham consigo … ou trabalham para outros e que conseguem tudo na hora, menos a satisfação profissional … perguntamos:

Você já abraçou um millennial hoje? Eles estão à espera!

 

Marinela Cunha Rolo

Director Business Development

 

How can we have more results and engaged people?

Posted on

In order for us to inspire you and develop a community with more commited and initiative people, we want to give you great examples. That is why we challenged a few of our customers that we admire as the leaders they are by bringing excelent results in their companies, to share their experiences. Take a look at the video:

In this video you can see some good practices to increase engagement and accountability on their employees. In sum, some of the best practices are:
1 – Decide and Communicate key goals
2 – Change the blame mindset into a problem solving mindset
3 – Ask for and give feedback as well
4 – Assume the responsibility
5 – Use creativity to solve problems
6 – Take action
 Nothing better than do see and hear them to understand what they mean with each step to you and your company.
Tell us what your experience is inside your company, it is important for us and for other companies to understand other’s corporative culture.

 

Lead to Engagement & Results Program – 7 Reasons Why You Should Take Advantage of This Opportunity

Posted on

In the previous post we introduced you the Lead to Engagement & Results program (English brochure / Portuguese brochure) that we are organizing on June 20 and 21 in Lisbon. Now, let’s present you with 7 of the reasons you are going to want to sign up:

  1. The two days of training will be conducted and energized by the only two trainers in Portugal credited by Partners In Leadership to deliver this international program.
  2. If you only have one free day you can choose the workshop that is the most important for you.
  3. You will get the books “The Oz Principle” and “How did that happen?” both of them New York Times and Wall Street Journal best sellers.OZ
  4. Exclusive online monitoring 24/7 for 45 days on PILtools.com, platform developed by Partners In Leadership, which offers the benefits and expected flexibility of a blended learning solution.PILTOOLS
  5. Enjoy the wonderful Hotel Ollissippo in Lisbon with its spectacular view of the Tagus River.
  6. Appreciate the opportunity for networking and meet new professionals from HR area in Portugal and abroad.
  7. Sole opportunity to enrol 1 or 2 people in your company.

What do you think? Are you going to participate?

Guarantee your place in this program through the email geral@brightconcept.pt

 

Grab this opportunity … after all

It’s in you

Train your employees Engagement with our Lead to Engagement & Results program

Posted on Updated on

2.png

Do you have employees who just don’t care? Do you ask yourself “How can I get my employees to achieve better results?” Answer that question and others by applying to our “Lead to Engagement & Results” Program.

Discover how to foster your employees engagement and inspire them to reach better results. Encourage your employees to take ownership in everything they do. Discuss what is Engagement,  how to achieved it and how to create a sharing environment that will allow you to obtain Key-results within your team’s.

This program will allow you to:

  • Develop your team’s Engagement using an international methodology;
  • Create a clear path for your team’s success;
  • Construct a new mind-set.

By  fostering engagement within your team you’ll get employees that will stick around through thick and thin, take pride in being a part of the team, give it their all each and every day, and will contribute actively to the results you want from your business.

The program is structured within 2 workshop days, with:

  • Small presentations of the topics;
  • Individual exercises;
  • Group exercises;
  • Feedback between participants and the coach;
  • Excerpts of films for reflection.

Join us on June 20th – 21st, in the lovely and charismatic Portugal capital city – Lisbon, in one of the most well know areas of the city – the Parque das Nações. Enjoy the Tagus river views while making this journey with us.

In case you cannot attend the two days of the workshop it is possible to attend only one. Contact us for more information and take a look at our brochure here: English / Portuguese.